Paulo Sandroni

Detalhes do autor

Nome: Paulo Sandroni
Data de registro: 01/09/2011

Biografia

Paulo Sandroni (São Paulo, 1939) é um economista brasileiro. Graduado pela FEA-USP em 1964, é mestre em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Entre 1965 e 1969, foi professor da Faculdade de Economia da PUC-SP e da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro. No início dos anos 1970, trabalhou na Universidade do Chile e na Universidade de Los Andes, em Bogotá. Atualmente é professor da Escola de Administração de Empresas , da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e da Faculdade de Economia e Administração da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É fellow do Lincoln Institute of Land Policy, um think tank de Cambridge (Massachusetts) que se dedica a questões relacionadas com a tributação, uso e regulação do solo.

Últimos Posts

  1. Crescimento Urbano, Receitas da Outorga Onerosa do Direito de Construir (OODC) — 20/02/2018
  2. O Ensurdecedor Silêncio das Ruas — 30/06/2017
  3. O Tripé da governabilidade e a retomada do crescimento econômico — 21/06/2017
  4. Paradoxos e Incertezas da Retomada do Crescimento Econômico — 08/02/2017
  5. Os Flautistas e as Quatro Taxas do Apocalipse — 23/09/2016

Posts mais comentados

  1. TARIFA ZERO — 24 comentários
  2. Um Tripé que Deixa a Mesa Mancando — 7 comentários
  3. O paradoxo de Allais e a Selic — 6 comentários
  4. A Crise na Europa e reflexos no Brasil — 6 comentários
  5. Lei de Wagner — 5 comentários

Listas de posts do autor

fev 20 2018

Crescimento Urbano, Receitas da Outorga Onerosa do Direito de Construir (OODC)

Crescimento Urbano, Receitas da Outorga Onerosa do Direito de Construir (OODC), e impacto sobre a arrecadação do IPTU na Cidade de São Paulo entre 1995 e 2015: os coeficientes de Produtividade e Fertilidade Tributária, e o índice de Ociosidade Territorial.   Introdução   O crescimento da área construída nas cidades  geralmente demanda a implantação de …

Continue lendo »

jun 30 2017

O Ensurdecedor Silêncio das Ruas

Muitos têm afirmado que a economia se descolou da política. A primeira, caracterizada por inflação abaixo do piso, desemprego em queda, o PIB saindo da toca, Bolsa de Valores ultrapassando os 75.000 pontos e o dólar bem-comportado contrasta com a segunda que naufraga na instabilidade causada pelas acusações de corrupção contra o Presidente da República …

Continue lendo »

jun 21 2017

O Tripé da governabilidade e a retomada do crescimento econômico

Todos os governos nacionais eleitos a partir de 1989 apoiaram-se no tripé: Congresso (parlamentares), Donos do Pib (Empresários) e Ruas (Povo e movimentos sociais). No passado, o tripé era constituído pelo Exército, a Marinha e a Aeronautica. Hoje, embora consultadas o protagonismo das Forças Armadas é reduzido, e fato relevante: conhecemos mais os nomes dos …

Continue lendo »

fev 08 2017

Paradoxos e Incertezas da Retomada do Crescimento Econômico

A atual política econômica não é farinha do mesmo saco da proposta por Joaquim Levy nomeado para a Fazenda – a contra gosto é verdade – pela ex-presidente Dilma Roussef. Mas é farinha do mesmo moinho. Existem diferenças? Sim, algumas: Levy queria arrecadar mais aumentando impostos tipo CPMF; além disso, o déficit era uma metamorfose …

Continue lendo »

set 23 2016

Os Flautistas e as Quatro Taxas do Apocalipse

Existem flautistas que executam seu instrumento com as narinas. É difícil, admirável até, mas o repertorio é limitado. Partituras mais complexas exigem o retorno á forma tradicional de tocar. É o caso da atual política econômica. Pretendendo garantir o emprego e baixa inflação – grandes cabos eleitorais – o governo provocou um desarranjo entre quatro …

Continue lendo »

set 06 2016

Corujas não caçam morcegos ao meio-dia!

Descomunal equívoco – para dizer o mínimo – é a narrativa que alguns economistas ex conselheiros da ex-Presidente tentam elaborar para salvar-lhe a alma, e a deles também. A prosa enganosa consiste em afirmar que ao invés de pedaladas fiscais o que a Presidente praticou, em 2015, foi uma política de intensa redução de gastos, …

Continue lendo »

jul 13 2016

Sugestões para sair da enrascada

O afastamento da Presidente Dilma em maio de 2016 estancou a sangria: boa parte dos indicadores econômicos pararam de se deteriorar. Alguns apresentam avanços significativos – como o superávit da balança comercial – mas outra coisa é que comecem de forma sistêmica a melhorar. Preso numa contradição insolúvel o governo Dilma, como a maioria dos …

Continue lendo »

fev 17 2016

Um Acerto Crasso?

Um economista desencantado poderia criar o conceito que encabeça este artigo: “Política econômica exitosa para enfrentar conjuntura adversa, mas que provoca consequências desastrosas se mantida indefinidamente. Estímulos ao consumo como subsídios tarifários, creditícios, tributários e aumentos salariais foram eficazes para enfrentar a crise em 2008/9.” Mantidos depois de 2010, no entanto, corroeram as contas públicas, …

Continue lendo »

out 23 2015

Feliz 2017 ou 2018?

“Quem pede, recebe; quem nomeia tem preferência!” Neném Prancha nos tempos da Lava Jato.   Desde 2013 o PIB era um cabra marcado para morrer. A política expansionista que prosseguiu mesmo depois de passada a onda de choque da crise  de 2008 indicava aos agentes, (leia-se investidores), que o modelo era insustentável. Em 2014 com …

Continue lendo »

jun 23 2015

Não existe almoço grátis. E janta?

O último bastião que ainda segurava a queda de prestígio do governo Dilma está desmanchando no ar com rapidez: Em maio de 2015 quase 120 mil trabalhadores deixaram de ter sua carteira assinada, especialmente na indústria. Em junho apenas 10% dos entrevistados consideravam o governo Dilma bom e ótimo. A situação piorou tanto que o …

Continue lendo »

Posts mais antigos «